O Peru foi visitado há muito tempo pelos fenícios? A resposta do investigador italiano Yuri Leveratto

fuente-magna-vaso-sumero

Rei Salomão, a rainha de Sabá e o mistério da lendária terra de Ophir

Autor: Yuri Leveratto Consulte seu site maravilhoso onde relatórios relatórios dos anos de explorações na América Latina.

www.yurileveratto.com/it

David, o sucessor de Saul, foi o segundo rei de Israel, e reinou entre 1010 no 970 b.c.. O filho de Davi, Salomão, Foi proclamado rei por seu pai, Ele governou por sobre 40 anos e expandiu o domínio de Israel.
Sob o seu comando o Reino estendia do Eufrates até o Egito e também teve dois aliados muito importantes: Hiram rei, à frente dos fenícios, os grandes navegadores da antiguidade, e a rainha de Sabá, que dominou um Yemen Unido e Etiópia estendido na corrente, que deu o ouro, incenso, perfumes e especiarias.
O trabalho mais importante do rei Solomon foi a construção do templo em Jerusalém, onde ele tinha depositado a Arca da Aliança, que continha as tábuas da lei, que tradicionalmente tinha sido entregue de Jeová a Moisés.
Para construir o templo em Jerusalém, Salomão precisava de uma quantidade desproporcional de ouro e prata, que conseguiu, De acordo com o livro dos reis na Bíblia, no lendário país de Ofir.
Suas frotas comandadas por Especialista de fenícios afastando-se do mar vermelho e voltou depois de três anos de vela, Cheio de ouro, Prata, pedras preciosas e perfumes.
Salomão, Quem tinha convertido em poucos anos no mais poderoso e sábio rei do mundo, Ele admitiu seu tribunal dignitários e embaixadores de todas as nações da terra, Mas um dia veio antes dele, uma mulher maravilhosa, cujo nome era Makeda (ou Bessa): foi a rainha de Sabá, um reino poderoso que incluía o atual Iémen e Etiópia, cuja capital era Aksum.
Makeda Solomon deu uma enorme quantidade de ouro e prata, Além de perfumes e pedras preciosas, Mas não é concedido. Ela era virgem e queria preservar sua pureza. Salomão, Ele tinha três cem esposas e concubinas, o desejado, Mas ele não insistiria.
Diz a lenda que, no último dia, antes de sair em um momento de seu reinado, Makeda foi convidado por Salomão para um banquete final. Salomão perguntou a ela se ela nunca poderia tomar qualquer coisa que ele possuía, sem pedir permissão. Ela disse que não, e ele sempre pedia permissão para tudo o que quiser.
Então Salomão propôs um pacto: Se ela tivesse tomado qualquer coisa que ele possuía sem pedir permissão, Ele podia pedir-te (e obter), o que mais lhe interessava.. A rainha de Sabá aceitou o pacto.
Jantar consistia de inúmeros pratos de peixe e carne muito salgada, regado com vinho tinto. Quando Makeda aposentou-se em seus apartamentos, ele notou que havia no criado-mudo ao lado da sua cama um copo grande de cristal cheio de água, Mas nem notou e caiu em um sono profundo.
No meio da noite, acordei com uma forte sede, devido o jantar salgado. Sem pensamento assumiu o vaso de cristal e bebeu a água para beber. Salomão, Quem estava por trás das cortinas, vi-a e lembrou-lhe o pacto: Ela tinha tomado algo seu (a água, o ativo mais importante), sem pedir permissão. Então foi Solomon, obtidos de Makeda ela desejava, e ela concordou, sem remorso.
Quando Makeda retornou para Aksum deu à luz um bebê, nomeado Menelik, e foi o primeiro imperador da Etiópia. Segundo a lenda, Menelik ao atingir a maioridade, Ela visitou Solomon, que estava velho e já não é tão brilhante quanto vinte anos antes. Salomão recebeu com honras superiores, e entregou-lhe, sempre de acordo com a tradição, a Arca da Aliança, Talvez ainda está preservado na Etiópia.
Retornando à frota do rei Solomon e viagens oceânicas para a lendária terra de Ophir: Muitos historiadores tentaram localizar este país mítico na África, na Índia e também em Peru (tese de Benito Arias Montano), Mas até agora não houve nenhum teste exaustivo sobre a sua localização.
Na minha opinião, é possível que o país lendário de Ophir foi realmente o Alto Perú, (a atual Bolívia), com suas minas de prata grandes Potosí.
Dos primeiros incentivadores da teoria da antiga presença de Fenícios no Brasil Ele era o Professor de história austríaco Ludwig Schwennhagen (Século XX), em seu livro "história antiga do Brasil", Ele citou estudos por Humphrey Onofre IV de Toron (Século XII), que por sua vez havia descrito a fenício navios viagens até ao estuário do Amazonas.
Como sabemos, Existem várias evidências arqueológicas e documentais sobre uma possível presença dos fenícios (ou os cartagineses), no Brasil: a pedra da Paraíba, a Pedra de Gavea pictogramas e petroglifos Pedra Ingà, Além do misterioso documento 512.
Há, outra evidência arqueológica sugere uma possibilidade na coincidência provável da terra de Ophir, com o Alto Peru: a existência de uma antiga e longa viagem, disse-me em Português"Caminho Peabirú”, que a atual costa do estado de São Paulo e Santa Catarina (Brasil), leva, Depois sobre 3000 Quilômetros, até Potosí, e continua até Tiahuanaco e Cusco.
Palavra Tupi Guarani Significa "Peabirù": "viagem de retorno", como se para significar que alguém andava com ele no passado para trocar por ouro e prata.
De acordo com minha interpretação pode significar Peabirù: "viagem ao Peru, como pe significa caminho ou caminho na língua Tupi Guarani, Enquanto Birú é o antigo nome do Peru.
O caminho do Peabirù tem sido estudado recentemente por arqueólogos brasileiros, que determinou que começou na área de San Vicente. Outra perna da trilha começa no atual estado de Santa Catarina. Ambos ele dirigiu-se para a floresta, a chamada Mata Atlântica, Hoje quase totalmente desaparecido. Em seguida, os dois ramos do caminho juntou-se no atual estado do Paraná, onde alcançou sua largura 1,4 metros. O caminho seguido para a atual cidade de Corumbá e entrou na Bolívia de hoje perto da cidade de Puerto Suarez. Então depois de atravessar as pradarias do Chaco, Ela dirigiu-se até Potosí.
Em tempos históricos, o Português Aleixo Garcia (1524) viajou o caminho de Peabiru, e chegou até o Peru, nove anos antes de Pizarro chegou a Cusco.
A existência da velha maneira de Peabirù é muito importante, Por que é a prova de que era possível, do litoral de Santa Catarina e San Vicente (Brasil), alcançar o Cerro Rico de Potosí (Montanha de prata mais ricas do mundo), com uma viagem de cerca 2 meses. É possível que a jornada de Peabirù era conhecida pelos fenícios e em seguida também por rei Solomon?
É possível que Ofir esteve no Peru?
Se considerarmos os navios do rei Solomon partiu do mar vermelho e voltou depois de viajar cerca de três anos, a coincidência de Ophir com alto Peru não pode ser apenas um palpite.
Mas quem iria fornecer informações de local valioso para rei Solomon do rico país cheio de ouro e prata?
Voltando no tempo Nós pode avançar a hipótese de que os sumérios já sabia que a viagem de Peabirù, baseado na famosa descoberta de Fuente Magna, o vaso cerimonial preservado hoje em La Paz.
Mais estudos arqueológicos a caminho de Peabirù vão trazer à luz outros achados importantes desta fascinante história que abre novas possibilidades sobre a viagem de conhecimento e oceano geográfica da antiguidade.

Autor: Yuri Leveratto ver seu site maravilhoso onde relatórios relatórios dos anos de explorações na América Latina.

www.yurileveratto.com/it

  • Oro Peruviano
  • imbarcazione-fenicia
  • fuente-magna-vaso-sumero
Compartilhar
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

1 comentário para"O Peru foi visitado há muito tempo pelos fenícios? A resposta do investigador italiano Yuri Leveratto

  1. Dezembro de 6, 2016 pt-br 6:24 PM

    La foto que figura en el encabezado es escritura cuneiforme, perteneciente además, a la cultura Sumeria.

Deixar uma resposta

Seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados *